quarta-feira, 14 de junho de 2017

Fazendo acontecer! - Parte III

Olá pessoal!

No último post, fiz uma pequena provocação sobre o método GTD do autor David Allen, que propõe um método de organização pessoal que visa obter maior produtividade em todos os campos da vida, seja profissional, pessoal, social. 

Como isso acontece? Ao "limpar" a mente dos nossos compromissos, lembretes, coisas que devemos fazer, todos devidamente capturados na "caixa de entrada" e organizados em listas revisadas periodicamente, nas quais há clareza sobre aquilo que devemos fazer para concretizar cada um daqueles compromissos, ganhamos fôlego mental para refletir sobre aspectos mais importantes das nossas vidas. 

Ao invés de corrermos atrás do relógio tentando dar conta de milhares de afazeres que nem sabemos por que motivo estamos fazendo, passamos a refletir sobre coisas como:

Quais meus principais objetivos e metas no trabalho?
O que me vejo concluindo em um/três/cinco anos?
Eu me sinto realizado com meu estilo de vida?
Estou fazendo aquilo que realmente deveria estar fazendo?

A partir dessas reflexões, passo a ter mais critério sobre todos aqueles compromissos que assumo comigo mesmo e com as demais pessoas que fazem parte da minha vida, pois uma vez que minha capacidade de realização é limitada, devo priorizar aqueles compromissos que efetivamente consigo cumprir e que me colocam mais próximo daquilo que realmente importa para mim.

David Allen é categórico nesse ponto - cada um de nós é responsável por definir o que está de fato comprometido a fazer acontecer e para alcançar os resultados que almejo, preciso decidir qual é a próxima ação que devo fazer. 

Saber o que temos que fazer para alcançar nossos objetivos nos fortalece e afasta qualquer chance de vitimização, pois se há alguma coisa a ser feita, significa que aquela situação pode ser transformada. Você começa a ver as coisas acontecerem e acredita que pode conquistá-las, num verdadeiro círculo virtuoso.

E para terminar, outra frase que está no livro e achei fenomenal, do Steve Snyder: Só existem dois problemas na vida: você sabe o que quer mas não sabe como conseguir; ou você não sabe o que quer. E qual a solução? Descobrir e fazer acontecer!

Gostaram da série sobre GTD? Não deixem de comentar.

Beijos da Stefi

terça-feira, 13 de junho de 2017

Fazendo acontecer! - Parte II

Olá pessoal!

Espero que o primeiro post da série GTD tenha deixado todos vocês curiosos para saber como podemos nos organizar para agir mais e pensar menos no nosso dia-a-dia!

Já aprendemos que pensar em excesso, sem realizar, causa cansaço mental. O GTD sugere um método simples, composto de apenas cinco passos, para ser mais produtivo e realizado:

1) Capturar tudo aquilo que nos chama a atenção - David Allen sugere criar uma "caixa de entrada", que pode ser física ou eletrônica, para colocar tudo aquilo que exige alguma resposta ou decisão a ser tomada, por exemplo, contas a pagar, artigos interessantes na Internet que gostaria de ler, cartões de visita, convites para eventos, ideias para uma viagem de férias ou um curso que gostaria de fazer, lista de compras, etc.;

2) Analisar cada item separadamente e decidir o que fazer com ele - esse item demanda alguma ação? Se a resposta for sim, e essa ação levar menos de 2 minutos para ser feita - devo fazê-la imediatamente, como por exemplo responder a um email ou anotar um lembrete no celular.
Se a ação for mais complexa, posso inseri-la no calendário para fazer em outra oportunidade; delegar para outra pessoa ou adiar para uma lista de próximas ações.
E quando o item não exigir nenhuma ação física, posso descartá-lo, guardar como material de referência ou inserir em uma lista de projetos para fazer algum dia/talvez.

3) Verificar quais os resultados que decorrem de cada uma das opções - qual o resultado que será alcançado a partir de cada ação;

4) Refletir - adotar uma rotina semanal de rever aquelas atividades com as quais se comprometeu;  e revisar suas listas para garantir que todos os seus projetos estejam "fora da sua cabeça" e claros o suficiente de modo que você saiba qual ação deve tomar para alcançar o objetivo que deseja;

5) Engajar - decidir, dentre várias opções existentes, qual a melhor ação a ser realizada dentro de uma determinada janela de tempo e oportunidade.

Para David Allen, a partir da automatização desse fluxo de processamento, o cérebro fica livre do excesso de pensamentos e passa a focar nas ações que precisa desempenhar, o que contribui para a produtividade e realização! 

E, como veremos no próximo post, ser mais produtivo não significa apenas ser melhor profissional, traz também mais felicidade. Alguma ideia de como isso acontece?

Beijos da Stefi

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Fazendo acontecer! - Parte I

Olá pessoal!

Semana passada criei uma enquete na página do blog no Facebook para saber um pouquinho mais da opinião de vocês! Quem ainda não respondeu, é bem rapidinho, somente dois minutinhos para me ajudar a criar um blog mais interessante de ler e seguir! Obrigada a todos que já participaram!

Já na linha das respostas que foram dadas pelo pessoal que participou : ), hoje vou falar de um livro que há tempos estava querendo ler e que finalmente consegui após achá-lo na biblioteca solidária do meu trabalho - A arte de fazer acontecer: O método GTD - Getting Things Done, do escritor americano David Allen. 


Eu já conhecia um pouco do método a partir das minhas leituras do blog Vida Organizada, da Thais Godinho, que é super bacana e recomendo para quem gosta dessa temática de organização pessoal.

O livro apresenta um método simples para organização pessoal, que parte de duas premissas:
1) a mente humana é ótima para ser criativa a partir de cenários preestabelecidos, mas péssima para recordar de tudo que queremos lembrar no dia-a-dia;
2) e a existência de situações pendentes ou indefinidas, as quais o autor chama de "laços abertos", causa stress e confusão mental.

Mas o que seriam esses "laços abertos"? Seriam todos aqueles compromissos que você assume consigo mesmo ou com alguém, como por exemplo "Eu deveria malhar 3 vezes por semana"; "Preciso comprar o presente de aniversário do meu filho", "Gostaria de estudar francês um dia" etc., que ficam ocupando espaço mental enquanto não são atendidos ou resolvidos.

Para David Allen, essas pendências geram "ruído mental", pensamentos em excesso que não são traduzidos em ações efetivas, causando sentimentos de frustração e  de derrota.

No livro, Allen cita uma frase de Bill Raeder que ilustra bem essa situação: "O pensamento é inútil quando estimula a ação e é obstáculo quando a substitui." A saída estaria então em usar um método de organização que estimule a ação e reduza o pensamento desnecessário.

E o que o método GTD propõe para fomentar a ação? Te conto no próximo post!!

Beijos da Stefi

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Embrace - Aceite seu corpo como ele é!!

Olá pessoal,

Depois de um longo tempo sem postar, estou de volta! Hoje vou falar sobre um documentário inspirador disponível no Netflix chamado "Embrace", produzido pela ativista australiana Taryn Brumfitt, a partir de uma campanha de financiamento coletivo.



A Taryn ficou mundialmente famosa da noite para o dia após postar uma foto de antes/depois do seu corpo e sua jornada pela aceitação do seu próprio corpo, após ter três filhos. Se você costuma ler revistas femininas, certamente se lembra dessa imagem:
Na imagem de antes, Taryn participava de um concurso de fisiculturismo na Austrália, com o melhor corpo de sua vida, arduamente conquistado após a terceira gestação com dieta e exercícios rigorosos. No documentário ela narra como, apesar de estar com o corpo supostamente perfeito, não se sentia feliz e ainda, percebeu que as demais concorrentes continuavam bastante críticas com seus próprios corpos! Na imagem de depois, ela simboliza sua aceitação com o próprio corpo, com todas as suas marcas!

A partir da publicação da imagem, ela passou a receber milhares de mensagens de pessoas ao redor do mundo que também passavam por suas próprias jornadas para se aceitarem do jeito como são. E Taryn percebeu como esse problema da importância exagerada dada para a aparência afetava as pessoas ao redor do planeta, especialmente as mulheres.

Motivada em descobrir os motivos pelos quais as mulheres têm tanta dificuldade para se aceitarem como são, ela se lançou em uma viagem pelo mundo para conhecer pessoas com diferentes histórias de autoaceitação. As pessoas que ela conhece são inspiradoras, e cada uma a seu jeito aprendeu a se valorizar do jeito que é.

Um dos alertas feitos pelo documentário é a respeito de como as mulheres são estimuladas desde pequenas a cuidarem da aparência para serem bonitas e serem elogiadas por isso. Uma forma de reduzir essa importância exagerada à aparência é elogiar as garotas desde pequenas por suas conquistas e ações, mais do que por sua beleza. 

Em tempo - o documentário não reduz a importância de cuidar da saúde e de se sentir bem. Ele sugere uma mudança de foco - não devemos obcecar com a perfeição de nossa aparência, mas sim nos importamos com a capacidade do nosso corpo de viver de forma saudável, amorosa e feliz! 

Também adorei o uso positivo das redes sociais nesse caso - impressionante como uma foto publicada em rede social, com milhares de comentários, rendeu um documentário capaz de impactar ainda mais pessoas e fazer refletir sobre formas de pensamento arraigadas na nossa sociedade.

Vale a pena assistir e discutir com todos! Beijos